O broto, a flor e o menino

Olhava as plantas do jardim de casa e me encantava com as flores de alguns vasos, principalmente dos de orquídeas. Em um de-les não havia flores. “Você viu a quantidade de broto deste vaso?”, perguntou-me Anaí, minha mulher, deixando claro que isso é o que importa na planta.

Me demorei a identificar os tais brotos valiosos. Estavam presentes em vários vasos de diferentes espécies. Eram minúsculos, quase invisíveis…  Mas, aos olhos de uma boa “jardineira”, eram evidentes.

Já tinha me decidido a escrever sobre esse tema e estava trabalhando a ideia em minha cabeça quando vi pela tevê a notícia de que um garoto de doze anos pediu ajuda à polícia porque, trancado pela mãe, estava em casa sozinho com dois irmãos. No apelo ao atendente da PM, ele disse que a irmã, de cinco meses, estava com fome e ele não sabia o que fazer.

Desde a primeira vez que vi a matéria, fiquei impressionado com a desenvoltura e frieza daquele menino. Em gravação divulgada pela Polícia Militar, ele dizia:

— Moço, é que a minha mãe me deixou preso aqui com meus irmãos. E quase sempre ela faz isso. A minha irmã está sem leite, sem alimento. O que eu poderia fazer?

Ali estava um dos milhões de brotos brasileiros cantados por Milton Nascimento em Coração de estudante. Aquele menino, um broto em sua essência, clamava por ajuda para que pudesse se transformar um dia em flor ou fruto. Em vaso plantado na periferia de São Paulo, ele estaria até agora despercebido não fosse aquela ligação para a polícia.

A quem cabe a tarefa de cuidar desse jardim imenso espalhado por aí? Brotos como esse menino e seus irmãos poderão morrer se não receberem cuidados. Quem pode levar a eles a água da educação, o adubo que alimenta, o Sol que ilumina e o carinho que transforma?

Precisa-se, urgente, de bons jardineiros para “cuidar do broto pra que a vida nos dê flor e fruto”. Precisa-se, urgente, de homens e mulheres que possam identificar, principalmente em vasos malcuidados, brotos que podem se tornar engenheiros, médicos, professores, psicólogos e outros frutos.

Alguém se habilita?

“Ensina o menino no caminho em que deve andar, e assim, quando envelhecer, não se desviará dele”. (Bíblia, Provérbios 22.6)

Amorim Leite

Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para O broto, a flor e o menino

  1. sueli disse:

    Linda mensagem! Lembrei-me de uma frase de Pitágoras, filósofo grego: “Educai as crianças para que não seja necessário punir os adultos.”

  2. Fernando Cabral disse:

    É o que quero ser como futuro pai, se Deus quiser!

  3. Nelly Santos disse:

    Belíssima reflexão!!!
    Lembrei de quando trabalhava na Fundação CASA ….
    Realmente o mundo está precisando de visionários utópicos.

  4. Amorim, fantástica reflexão!
    Gostei bastante do texto. Realmente, se não formos ‘sal da terra e luz do mundo’, quem cuidará dos pequenos brotos que muitas vezes não dão frutos por passarem desapercebidos?!
    Que o Senhor Jesus nos capacite a amar as pessoas e valorizar sua essência!
    abraços

  5. Carolina Amorim disse:

    O problema não é se habilitar e sim como fazer isso!
    Não basta querer, tem que fazer!
    Não basta escrever palavras LINDAS e não fazer!

    AÇÃO é necessário!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s